Culinária Chinesa em Aracaju

Por Amintas Diniz

Francisco Carlos Cruz Dantas, juntamente com suas filhas Paula Dantas e Carla Dantas. Empresários de sucesso no ramo de alimentação

“Comer é um prazer divino”, diz o ditado, e na China esse conceito é levado muito a sério. A variedade de ingredientes e os modos de confecção dos pratos fazem da cozinha chinesa uma das mais ricas do mundo. É sua característica principal manter o sabor dos ingredientes, levando-se em consideração o cuidado na combinação de sabores e o equilíbrio dos ingredientes. Esse foi o desafio que o empresário Francisco Carlos Cruz Dantas, e suas filhas Paula Dantas e Carla Dantas, tiveram e venceram nesses 35 anos no mercado de culinária Oriental no nosso Estado.

A fascinação da China por comida vem da antiga veneração de deuses e espíritos, quando os imperadores eram levados aos templos ou aos picos sagrados para pedir boas colheitas, com sacrifícios de carne e vinho de arroz. Atualmente, qualquer coisa dá motivo para um banquete, em que famílias se unem, crescem amizades, sanam-se disputas e fecham-se negócios.

Os cozinheiros chineses, com dedicação milenar, souberam tirar proveito da inventividade e da versatilidade. Desenvolveram técnicas tão sutis de preparo e cozimento dos alimentos que transformaram sua cozinha em uma das mais refinadas do mundo.

A alimentação brasileira sofreu influência de vários povos, como os portugueses, italianos, africanos e os indígenas. No entanto, a influência da culinária oriental em nossa cultura, processo iniciado em meados de 1908 com a chegada do Vapor Kasato Maru e seus 781 imigrantes, trouxe na bagagem uma cultura rica e hábitos alimentares peculiares que, integrados aos nossos costumes, ajudaram a mudar as feições do cardápio brasileiro.

Uma das grandes dificuldades iniciais da população oriental foi a adaptação ao novo regime alimentar, já que os alimentos diariamente consumidos pelos orientais não eram tão populares para os brasileiros da época. Os imigrantes, que aos poucos conseguiram se libertar do trabalho braçal nas lavouras do café, passaram a se dedicar à agricultura autônoma – introduziram a soja e a cultura do algodão e arroz —, e à avicultura, além do plantio de verduras e frutas em estufas.

De fato, a cozinha oriental e de modo especial a Chinesa é especial e cativante, por conta dos seus métodos de preparação dos alimentos, seus sabores diferenciados e sua apresentação. Os pratos chineses, além de altamente nutritivos e pouco calóricos, são carregados de simbolismo; o alimento é respeitosamente manipulado, preservando sua individualidade, o que representa a delicadeza e a disciplina do povo Chinês.

Assim, a influência centenária da culinária oriental no Brasil, tem promovido um aumento no consumo de legumes e frutas, o que diminui as frituras e carnes, proporcionando a todos uma alimentação mais natural, leve e saudável.

Os imigrantes chineses vieram para o Brasil no século passado para trabalhar nas lavouras de café como todo os povos orientais que aqui vieram com o sonho de enriquecer e depois voltarem para o seu país. Diante das dificuldades e, percebendo que não seria possível concretizar este sonho, inicia o processo de integração com os brasileiros ( gaijin ).

Shopping Jardins – Praça de alimentação entrada C

Aos poucos foram se adaptando aos costumes, culinária, religião e estilo de vida do povo daqui. Mas no convívio familiar preservaram a sua cultura, principalmente quando as gerações mais novas conviviam com pessoas idosas preocupadas em repassar valores, costumes, idioma e também a culinária oriental.

Os hábitos alimentares trazidos pelos primeiros imigrantes à base de diversos condimentos utilizados para a preparação da comida chinesa, além de dissipar os maus sabores originais de alguns ingredientes, são preparados para diferentes sabores, conforme os diferentes gostos das pessoas. Os principais ingredientes são salsinha e coentro frescos, sementes de anis, sementes de feno grego, assafétida, alho, cebola echalote, pimentas (frescas, secas, em grãos etc.), diversos molhos de soja, vinagre de arroz, molho de ostra e um vinho branco chinês chamado Shaoxing, muito forte. Cogumelos secos e uma infinidade de raízes aromáticas complementam essa sinfonia de aromas e sabores.

Principais tipos de alimentos

São vários os tipos de alimentos utilizados na preparação da comida chinesa: aves, carne de porco, peixe, camarão, verduras e legumes são os ingredientes mais utilizados. Os peixes de água doce e salgada, frutos do mar e algas marinhas são utilizados em abundância na preparação da comida chinesa, sendo eles a principal fonte de proteína animal.

Temperos básicos

Os principais ingredientes utilizados como tempero são: molho de soja, pimenta-do-reino, lau-jiu (saquê chinês), molho de ostras, molho de feijão-preto, aji-no-moto, açúcar e óleo de gergelim.

Ervas aromáticas

Existem poucas ervas aromáticas cultivadas e utilizadas na culinária chinesa, mas a precisa e inventiva combinação delas resulta em temperos espetaculares, como o pó das cinco especiarias (anis-estrelado, fagara, cássia, semente de funcho e cravo-da-índia), o molho de soja, o see yau, e o hoisin.

Alimentos utilizados com moderação

Na comida chinesa são utilizados com moderação o sal, vinagre de arroz, gengibre, coentro, alho, alho-poró, malagueta, cravo, casca de tangerina, semente de sésamo e anis-estrelado. Uma pitada de açúcar, presente em quase todos os pratos, realça o sabor dos ingredientes.

Alimentos em conserva

As verduras em conserva também são utilizadas com frequência para dar sabor aos pratos, em especial às carnes.

Temperatura de cozimento

A temperatura de cozimento dos alimentos é fundamental para manter as propriedades das vitaminas e proteínas dos alimentos. Pratos, como o camarão à moda de Xangai requerem altas temperaturas e podem ficar apenas 15 segundos no fogo; outros, preparados com chamas mais brandas, chegam a cozinhar até 48 horas.

Hoje, a culinária chinesa está em alta no Brasil, com algumas adaptações ao gosto ocidental e vem ganhando tradição e prestígio, por ser uma opção saudável, considerando a qualidade e a expectativa de vida dos orientais. É saboreá-la nos restaurantes típicos possíveis ou associados à culinária de outras culturas orientais, como a chinesa e a coreana, nos fast food, food trucks , churrascarias e outros espaços de gastronomia em qualquer região do país.

Em Aracaju, os restaurantes chineses tornaram-se um sucesso. Na cozinha chinesa, os ingredientes são todos cortados, segundo as exigências do prato, seja em fatias, cubinhos, tiras, cubos, tiras finas, grãos ou picados, a fim de realçar o sabor.

A vinda dos imigrantes permitiu a incorporação de uma variedade de frutas, verduras e legumes, como caqui, maçã, pera, acelga, espinafre japonês, brotos de feijão, broto de bambu, rabanete, abóbora cabotiá entre uma diversidade de produtos, enriquecendo a culinária brasileira.
Em Aracaju os RESTAURANTES CHAU CHAU , YANG chan, transforma e oferece essa deliciosa culinária, e oferece ao comensal uma oportunidade de provar também uma culinária contemporânea, .

Nos RESTAURANTES os encontros, reuniões e um bom happy hour você consegue provar cada iguaria de doce ou salgado e compartilhar com todos e com isso todos têm a oportunidade de provar vários tipos de comida. Largamente adotado pela comunidade brasileira, essa tradição aparentemente simples.
Quais são os pratos típicos da China?

A China é um país de uma beleza singular, seus costumes e tradições chamam atenção do mundo todo. A arquitetura dos seus templos e construções expõem toda sua história.
Além disso, sua gastronomia é uma das mais exóticas do mundo e tem vários fãs, ou seja, viajar para esse país não é somente conhecer suas paisagens e arquitetura é mergulhar em um passeio gastronômico também.

Conheça alguns dos principais pratos típicos da culinária chinesa:

Pato à Pequim

Um dos pratos mais tradicionais da China surgiu na dinastia Yuan e era muito servido nas cortes imperiais.
A princípio o Pato à Pequim era preparado com temperos e molhos específicos e depois era levado ao forno com especiarias para ser assado.
Em seguida, era cortado em fatias e acompanhado com crepes muitos finos, hoje em dia, é servido com molho hoisin, cebolas verdes e panquecas finas.
O prato teve algumas alterações durante a dinastia Ming e a partir desse momento virou uma febre no país e se tornou mundialmente conhecido e apreciado.

Porco Agridoce

O Porco Agridoce é ícone da culinária chinesa e é o tão famoso prato que surgiu na dinastia Han. O preparo do prato consiste na carne de porco temperada com vinagre e mel.
Após a dinastia Tang o prato ganhou mais destaque e outros ingredientes foram acrescentados, são eles: abacaxi e pimentões.
Atualmente, é muito servido com arroz, os mais tradicionais preferem apreciar somente a carne de porco e essa combinação do doce e azedo tem como princípio a medicina tradicional por causa do equilíbrio dos cinco sabores.

Tian Bu la

O Tian Bu la advém da dinastia Qing nesse momento os chefes chineses estavam empenhados na criação de pratos novos e principalmente brincar com os diferentes sabores.
Esse prato é composto por um bolinho de peixe misturado com legumes frescos e temperos e o seu sabor é adocicado.
Atualmente, ele pode ser feito também com farinha de batata ou tapioca, e em algumas receitas é introduzido o ovo. Cada região acrescentou algum ingrediente e personalizou, mas todas preservam a essência do prato.

Frango do General Tso

Um dos pratos mais históricos da China, sua criação foi em homenagem ao líder militar Zuo Zongtang, criado pelo chef Peng Chang-kuei nos anos 50.
De acordo com a história estava acontecendo um jantar para os líderes chineses e só tinha uma coxa de frango. O prato é feito de pedaços de frango fritos em tempura e com um molho agridoce.

Uma curiosidade é que o general não provou e o seu nome foi homenageado no prato. Vale destacar que é muito conhecido no ocidente, principalmente nos EUA, mas teve algumas modificações para agradar o paladar americano.

CMA _
Nota de Esclarecimento - CMA
WhatsApp Image 2024-05-19 at 11.20
Projeto de Cícero do Santa Maria homenageia São Tomás More
Dra
Dermatologista explica causas de urticária em crianças
Rolar para cima
Rolar para cima