Maio Amarelo: motociclistas são as principais vítimas de traumas na face provocados por acidentes de trânsito

Cirurgião bucomaxilofacial reforça dicas de segurança para evitar acidentes 

O mês de maio é marcado por diversas campanhas, entre elas, o Maio Amarelo, que tem como objetivo conscientizar sobre a importância da segurança no trânsito e reduzir mortes. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), mais de 3,5 mil pessoas morrem todos os dias nas vias por acidentes de trânsito. São cerca de 1,3 milhão de mortes evitáveis e cerca de 50 milhões de pessoas lesionadas por ano em todo o mundo. Entre as principais lesões, estão os traumas faciais, que atingem principalmente motociclistas jovens e do sexo masculino.  

Um estudo publicado na edição de 2024 da revista Brazilian Journal of Health Review, intitulado “Análise do perfil de traumas de face de acordo com o Samu, em Vitória de Santo Antão-PE”, aponta que os traumas são comuns em homens a partir dos 22 anos de idade e, muitas vezes, estão intimamente associadas à falta ou uso incorreto de equipamentos de proteção individual (EPI) e/ou consumo de álcool.                                                                                                                                                                                                                             

“Quando a pessoa é mais jovem, há uma tendência de achar que nada vai acontecer, o que gera uma confiança exagerada e o excesso de velocidade. Alguns motociclistas andam sem capacete ou utilizam aqueles que só protegem a cabeça e expõem toda a face. Outros utilizam capacete, mas sem o ajuste devido e, durante um acidente, acabam sendo arremessados, com a cabeça e a face desprotegidas”, alertou o cirurgião bucomaxilofacial Breno Barbosa, especialista em cirurgias para tratamento de traumas na face.

O uso correto do capacete, no caso de motociclistas e ciclistas, é fundamental para prevenir diversas sequelas e, até mesmo, óbitos em caso de acidente. Isso porque as lesões em quem utiliza capacete tendem ser mais amenas. “Os tratamentos para lesões menos traumáticas costumam ser conservadoras e, em geral, os pacientes levam suturas (pontos) ou reduções cirúrgicas mais brandas. Já uma dinâmica de trauma mais intenso e com menos proteções, muitas vezes, ocasionam múltiplas fraturas na face ou concomitantemente outros ossos do corpo, tendo que operar e ficar mais tempo internado no hospital. Os traumas em motociclistas que não usam capacete, estão diretamente ligados com fraturas”, explicou o Dr. Breno Barbosa.

Alerta

O cirurgião bucomaxilofacial reforça ainda que não são apenas os motociclistas que precisam de cuidados. Condutores e passageiros de outros tipos de veículos também estão sujeitos a traumas na face em acidentes se não usarem o cinto de segurança.  “O impacto de uma colisão, por exemplo, pode acabar projetando a vítima para frente, de forma que a face é logo atingida.  É importante respeitar os limites de velocidade, principalmente em dias chuvosos. Não dá para ter confiança exagerada, porque a prioridade é a proteção de todos aqueles que compõem o trânsito de uma maneira geral, incluindo os pedestres”, completou o cirurgião bucomaxilofacial.

CMA _
Nota de Esclarecimento - CMA
WhatsApp Image 2024-05-19 at 11.20
Projeto de Cícero do Santa Maria homenageia São Tomás More
Dra
Dermatologista explica causas de urticária em crianças
Rolar para cima
Rolar para cima